Anamages questiona no Supremo resolução que regulamenta audiências de custódia

Do portal da Anamages

A Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (ANAMAGES), através de seu Presidente, o Desembargador substituto do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG), Magid Nauef Láuar, ajuizou nesta quarta-feira, 6, no Supremo Tribunal Federal (STF), uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), e ingressou no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com Procedimento de Controle Administrativo (PCA) – ambos com requerimento de medida cautelar – contra a Resolução n. 213/2015 do CNJ que regulamenta as audiências de custódia no Brasil.

ADI

Na ADI a ANAMAGES pleiteia: a concessão da medida cautelar, requisitando-se informações do CNJ, da Advocacia Geral da União (AGU) e da Procuradoria Geral da República (PGR); e, no mérito, ante a patente inconstitucionalidade formal da Resolução, seja julgado procedente o pedido, declarando-se inconstitucional a resolução impugnada.

Na ADI, subscrita pelo Advogado Dr. Daniel Calazans, ressalta-se a legitimidade da ANAMAGES para propor a ação, bem como a presença dos pressupostos de admissibilidade desta ação, ante a impugnação de ato normativo originário, abstrato e genérico editado pelo CNJ, e, no mérito, a inconstitucionalidade formal do ato impugnado.

Ao expor a inconstitucionalidade formal da Resolução, a ANAMAGES sustenta a violação do art. 22, I, da CR/88. Para a Associação, é evidente o caráter normativo-abstrato da resolução, o que pressupõe capacidade para legislar, como dispõe o próprio STF sobre o tema.

Na compreensão da ANAMAGES, o CNJ incorreu em grave violação constitucional, usurpando a competência privativa do Congresso Nacional para legislar sobre matéria processual penal.

A ANAMAGES ainda frisou que, apesar de já reconhecida sua constitucionalidade pelo STF, a audiência de custódia é extremamente retrógada e traz pouca ou nenhuma vantagem às partes.

A Associação já se posicionou sobre o assunto inclusive por meio de artigo de autoria de seu Presidente Magid Nauef Láuar publicado no jornal Folha de São Paulo em 3/10/2015, no qual afirmou que tais audiências foram criadas durante a Ditadura Militar, em momento histórico muito distinto do vivido hoje, ocasião em que as audiências serviam para coibir as práticas de torturas e execuções realizadas pelas forças armadas.

PCA

No PCA, a ANAMAGES solicitou a concessão da medida liminar, revogando-se imediatamente a Resolução n. 213/2015, tendo em vista o fumus boni iuris decorrente da inconstitucionalidade formal e o periculum in mora pela simples realização das audiências de custódia regulamentadas de forma notoriamente inconstitucional; a notificação do CNJ e dos eventuais interessados nos efeitos da Resolução n. 213/2015, no prazo de 15 dias; ao final, ante a patente inconstitucionalidade formal da Resolução n. 213 de 2015, por ofensa ao art. 22, inciso I, da CR/88, que seja julgado procedente o pedido, revogando-se a resolução impugnada. As informações são do portal da Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (ANAMAGES).

Os comentários são de única responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do editor do blog. Se achar algo que viole nossos termos de uso, nos avise.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s